6 outubro, 2017

Jogo dos erros

Chega de especulação! Separamos 8 mitos sobre a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição Sexual) que não podem te enganar

PrEP (Profilaxia Pré-exposição Sexual) ainda é uma novidade para muita gente, mesmo que já faça parte da rotina de diversos países na Europa e nos Estados Unidos e que tenha sido aprovada a distribuição de Truvada no SUS – oba! Só que alguns rumores ainda rolam solta por aí sobre a forma de usá-la e seus efeitos. Por isso, separamos 8 mitos que não podem te enganar. Vem com a gente!

Mito 1: Quem toma Truvada não precisa usar camisinha

A gente já falou diversas vezes sobre a importância de fazer a prevenção combinada, ou seja, usar mais de um método de prevenção contra DSTs. Apesar da eficácia da PrEP ser comprovada (quase 100%) quando tomada adequadamente, ela não protege de outras doenças como Sífilis e Hepatite B, ou seja, mantenha camisinhas por perto!

Mito 2: A PrEP te deixa mais promíscuo

Se isso fosse verdade, seria o remédio bestseller das drogarias mundo afora. Nas pesquisas realizadas, não houve comportamentos irregulares em relação ao libido dos usuários.

Mito 3: Ao tomar PrEP, o corpo se torna resistente aos medicamentos antirretrovirais

O Truvada é um remédio para pessoas cujos testes – que devem ser feitos com regularidade – têm resultado negativo. Quem é soropositivo deve tomar outros remédios.

Mito 4: Deve-se tomar PrEP somente nos dias que for ter relações sexuais

Para garantir a eficácia da PrEP, o remédio deve ser tomado uma vez ao dia, sem interrupções, regularmente. O uso incorreto pode comprometer a proteção.

Mito 5: Deve-se tomar de três a quatro comprimidos no dia que for fazer sexo sem camisinha

É indicado usar camisinha mesmo tomando Truvada, sendo que só é necessário tomar um comprimido ao dia, como dissemos acima.

Mito 6: Truvada é indicado apenas a gays e/ou profissionais do sexo. Mulheres não devem se proteger com PrEP

Apesar de no Brasil a maior parte dos usuários de PrEP serem gays, as mulheres podem e devem fazer uso do remédio. A eficácia do Truvada não varia entre gêneros e sexualidades. Só é importante que as pessoas não sejam portadoras do vírus HIV.

Mito 7: Quando se toma PrEP, os resultados de testes de HIV são positivos

Como não há HIV no Truvada, não há como ele ser o motivo do resultado positivo no teste. Tanto é que se o resultado for positivo, a PrEP deve ser interrompida e, com o cuidado de um infectologista, deve ser substituída pelos medicamentos de quem é soropositivo.

Mito 8: Quem começa a tomar PrEP deve continuar o tratamento pelo resto da vida

Você pode começar e parar de tomar Truvada quando quiser, desde que esteja assessorado por um infectologista. A PrEP não deixa de ser um remédio e precisa do acompanhamento de um médico.


Leia mais…

“Há seis meses uso Truvada”, diz garoto sobre prevenção do HIV

“Por que eu comecei a tomar Truvada?” – o relato de um jovem ao UAA

HIV e Truvada: os cuidados que você precisa ter

Você faria um teste de farmácia para o HIV?

Por que se evita falar sobre o HIV para a população LGBT no Brasil?

Você acredita que ter um parceiro fixo protege contra o HIV?


Aproveite e leia nosso especial sobre o HIV!

Parte 1: Especial UAA: precisamos falar sobre o HIV

Parte 2: A verdade: portador do vírus do HIV indetectável não transmite o vírus

Parte 3: Por que você pode namorar um soropositivo e a vida de dois positivos juntos

Parte 4: Por que todos devem começar o tratamento ao serem diagnosticados com o HIV

Parte 5: Dúvidas dos leitores: do sexo oral a efeitos colaterais dos remédios contra o HIV

Parte 6: As novidades do tratamento e por que um homem com HIV pode ter filho sem transmitir o vírus