10 agosto, 2017

Coisas de cientistas

Novo estudo mostra que não ter um namorado ou marido pode te matar mais cedo que uma pessoa com obesidade mórbida. Entenda aqui…

Professores da universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, lideraram um estudo sobre o impacto da solidão na expectativa de vida. De acordo com os resultados, que incluem 218 indivíduos como objeto de estudo, o fato da pessoa estar solteira aumenta 50% as chances de uma morte precoce. No caso de obesidade mórbida, o aumento é de 30%. Sim, juntando com cré, dá para deduzir que um solteiro tem mais chances de morrer precocemente que uma pessoa com obesidade extrema.

“Estar conectado com outras pessoas socialmente é considerado uma necessidade fundamental humana, crucial para a saúde e para a sobrevivência”, garante a Dra. Julianne Holt-Lunstad, líder da pesquisa e professora de psicologia na universidade. “Exemplos extremos mostram que bebês em creches com pouco contato humano muitas vezes não se desenvolvem direito e podem acabar morrendo.”

Já sabe, né? Pode sair por aí oferecendo aliança, afinal, a gente quer manter a nossa expectativa de vida lá em cima, né? Aliás, tem gente aqui na redação do UAA que está solteira. Alguém topa aumentar a nossa expectativa de vida?


Leia mais…

Tomar ou não tomar PrEP, eis a questão! Veja se este vídeo ajuda…

4 dicas para envelhecer com saúde e massa magra

Comida gordurosa ‘torna’ pessoas gays. Oi?

Mais brasileiros aceitam a homossexualidade, segundo nova pesquisa

Você faria um teste para o HIV de farmácia? Leia o que diz nosso infectologista