2 outubro, 2017

Pelas pirâmides do Egito

Polícia egípcia quer examinar o bumbum de seis rapazes para determinar se eles são gays ou não. Oi?

Seis homens foram presos durante o show da banda libanesa Mashrou’ Leila – cujo vocalista, Hamed Sinno, é gay – no último final de semana no Cairo, Egito, por segurarem a bandeira LGBT. Eles foram acusados de “promoverem desvios sexuais” pela plateia e pela polícia local por conta das bandeiras e das fotos do show divulgadas nas suas mídias sociais. Apesar de a homossexualidade não ser explicitamente criminalizada pela lei egípcia, pessoas – como eles – são presas por “apresentarem conduta homossexual”.

No último sábado (30/9), eles contaram que passarão por exames anais. Oi? Pois é: aparentemente (ou não) a parte final do sistema digestivo pode informar a sexualidade alheia. Sendo assim, os proctologistas podem mapear os gays do mundo, né? É claro que a Anistia Internacional (organização não governamental que defende os direitos humanos) condenou o ato.

“O fato do Ministério Público do Egito priorizar a caça das pessoas com base nas suas orientações sexuais aparente é absolutamente deplorável. Esses homens devem ser libertados imediatamente e não devem ser julgados. Os exames anais forçados são abomináveis e equivalem a torturas”, diz Najia Bounaim, diretor da parte norte do continente Africano da Anistia Internacional.

A banda libanesa foi proibida de voltar a se apresentar no país. Até o momento que publicamos esta matéria, não haviam novidades sobre o caso: o que aconteceu/vai acontecer com os rapazes são cenas dos próximos capítulos. Fiquem ligados…


Leia mais…

Entenda por que nem sob o aspecto jurídico a defesa da cura gay é correta

O perigo de apoiar a cura gay com fez Barbara Gancia na TV

Quem são as celebridades que se manifestaram contra a cura gay

A gente precisa assinar a petição contra a cura gay! Aqui!

Pabllo Vittar em entrevista exclusiva fala sobre bullying

Por que precisamos de mais defensoras dos gays como Deborah Secco