27 junho, 2016

O verão italiano

Escolhemos os cinco melhores desfiles da semana de moda de Milão que teve, como tema geral, a necessidade de viajar, tirar férias e relaxar para inspirar você

ABERTURA

A temporada de desfiles começou com tudo e para você se inspirar, fique de olho nos melhores da semana de moda de Milão e não perca tempo em seu próximo look – ou aquisição poderosa.

FENDI

FENDI

Picasso, Dalí, Albert Einstein. Todos de férias. Essa foi a inspiração da marca italiana. Shorts um pouco mais curtos, sandálias, tons terrosos leves e pinceladas de cores. Um pouco de couro, um pouco de seda, um verão chique nos detalhes e nas formas e despojado na atitude, como deve ser.

MSGM

MSGM

Imagine que você acabou de sair de uma rave nos anos 1990. Ou melhor, chegar. O desfile da MSGM tinha esse perfume no ar e na trilha sonora. As sobreposições foram o ponto alto, assim como o resultado da mistura de cores e estampas.

Dica: repare nas duas formas completamente diferentes de usar o mesmo tricô.

GUCCI

GUCCI

Misturar culturas e referências históricas. Usar um quimono como smoking. Por que não? Ou uma calça de alfaiataria com elástico na barra e listras na lateral. Os bordados, como sempre, são maravilhosos. A coleção de verão da Gucci dá vontade de se transformar em mil personagens. Se permitir.

PRADA

PRADA

Claro que Miuccia Prada não faria uma coleção pensando apenas em algo belo, cartelas de cores etc. É preciso viajar. E olhar para o presente. Numa época em que conflitos acontecem sem parar e refugiados são tema urgente, o desfile de verão da Prada é sobre viajantes, roupas de tecidos a prova d’água, mochilas acopladas ao corpo, mistura. Moda como ferramenta política.

ETRO

Etro

Conforto. Tecidos de fibras naturais. Essa é a marca registrada da Etro que, nesta temporada, resolveu deixar seus modelos mais à vontade ainda. O casting, formado por “homens comuns”, teve passe livre pra escolher as peças que iriam desfilar. E não é que eles têm bom gosto?


Leia também…

Raf Simons e a coleção inspirada no gay underground