2 junho, 2014

Gustavo Wabner se prepara para viver gay nos palcos

O ator conversou com o UAA sobre sua carreira, o sucesso entre o público infantil e o novo desafio de interpretar um personagem homossexual no teatro

Gustavo Wabner - Foto: Sergio Santoain

Gustavo Wabner – Foto: Sergio Santoain

O ator Gustavo Wabner bateu um papo com o Universo AA para falar sobre sua carreira nos palcos e na telinha. Como um bom apaixonado pelas artes, o gaúcho de Porto Alegre começou cedo: com apenas 15 anos, em 1990, descobriu sua paixão pelo teatro. “Movido pela curiosidade e pela inquietação, fiz de tudo um pouco: bilheteria, produção, cenário, figurino, programação visual, assessoria de imprensa, etc.”, contou. Em 1997, Wabner decidiu mudar-se para o Rio de Janeiro, numa tentativa de ampliar os horizontes profissionais. “Essa mudança foi fundamental na minha trajetória, pois minha formação é completamente calcada na prática. Minha escola foi o palco, meus colegas atores com quem contracenei”, continuou. Em 1999, juntamente com Sergio Módena e Erika Riba, nasceu o grupo teatral Trupe Fabulosa. “Produzir seus próprios projetos não deixa o ator à mercê do mercado. Escolher um bom texto, selecionar elenco, equipe e, com isso, gerar empregos se tornou um prazer indescritível e nosso maior motivo de orgulho. Além disso, estou começando a dirigir teatro, e com isso, descobrindo uma nova possibilidade, tão prazerosa quanto atuar”, disse o ator.

Mais recentemente, Gustavo fez um trabalho na televisão que foi um sucesso de público e crítica: a novela juvenil Carrossel. Wabner deu vida ao professor Renê, protagonista da novelinha e par romântico da professora Helena (Rosanne Mulholland). Ele nos contou um pouco como foi fazer um trabalho voltado ao público infantil: “Fazer “Carrossel” foi uma delícia, pois além da novela ter sido um grande sucesso, trabalhar com e para crianças é muito estimulante e renovador”.

A novela do SBT, alias, foi um dos principais trabalhos na vida de Wabner, como o próprio ator destacou. “Quanto maior o trabalho de composição da personagem, mais desafiador e instigante ele se torna, independente do veículo. Neste sentido, no teatro destaco meu último trabalho: Giácomo Franci, de “A Arte da Comédia”, um assessor burocrata, autoritário e deslumbrado pelo poder. Em TV, adorei interpretar Nikolai, um mafioso russo na série “Vida de Estagiário”. E claro, não poderia deixar de citar o querido professor Renê em “Carrossel”, sem dúvida o trabalho mais popular de todos que realizei”, contou.

Gustavo Wabner está nos palcos cariocas com a peça Bossa Novinha – A Festa do Pijama. “Este projeto da autora e atriz Ana Velloso é o segundo de uma trilogia (o primeiro foi “Sambinha”) que tem como objetivo apresentar gêneros e compositores consagrados da música brasileira para o público infantil (…) Nessa peça, a autora escreveu  um personagem especialmente para mim, o que é de fato, um verdadeiro presente. A peça se passa durante uma festa do pijama, onde um grupo de amigos comemora e canta vários sucessos da bossa nova”, explicou. O espetáculo está em cartaz no Teatro Oi Futuro Ipanema, no Rio de Janeiro.

Além da peça, Gustavo Wabner já está se preparando para mais um trabalho, que deve chegar aos teatros do Rio de Janeiro até o final do ano. “Vou começar a ensaiar, no segundo semestre, o espetáculo “Em Todo Lugar Cabe um Beijo”, de Newton Moreno. A peça tem temática LGBT e é composta por uma coletânea de textos que abordam de forma muito sensível, e também com muito humor, o universo gay. A direção será de Sergio Módena”, contou.